Seguidores

O que você procura?

28 de junho de 2016

Missª. Jociana Santos - Projeto Mulenvos 2016.



Luanda 25 de Junho de 2016.
Bom Tarde!

Missão Educação para vida. 
Nessa Missão Jesus trabalha e nós vamos andando e seguindo seus passos. Nesse tempo aprendemos a confiar e ouvir. 

Sempre que um novo passo precisa ser dado, paramos e oramos. Resultado temos experimentado as Vitórias!

Um mês que mudamos para casa missionária, bairro tranquilo, estamos dormindo bem, refazendo energias para servimos nos Mulenvos. Parece que foi ontem. As crianças não são tão tímidas como pensávamos, risos. São iguais a todas as crianças! Precisam de limite, de autoridade, de educação e, principalmente, de pastoreio.

Os responsáveis são receptivos e estão satisfeitos com o trabalho. Isso é muito bom. No dia 16 de Junho fizemos nosso dia da Criança Africana, fiquei emocionada. Eles cultuaram a Deus. A boneca Mel veio do Brasil e eles até agora desconfiam que era a Bárbara, mas a imaginação é fértil. 

Alguns mantenedores doaram e pudemos dar um lanche com bolo, cachorro quente e refrigerante (gasosa). Os brinquedos foram o ponto alto da festa. Deus é fiel! 

Precisamos e contamos com vossas orações. Um forte Abraço. 






Desafios : 
- Participar da capacitação da Atuação Voluntária em Benguela nos dias 01 a 04 de Julho depois férias até dia 15. Assim retornamos e avançamos para segundo;

- Montar mini orta para ajudar nas aulas de ciências;

- Montar nosso Coral da escola dos Mulenvos. Estamos ansiosos pois queremos formar alunos capazes de ser autênticos, capazes, aptos para promover o Reino de Deus em Angola.

Oremos juntos por sabedoria e inteligência para essa missão. 
Seguem as fotos da Celebração do dia 16 de Junho. Eles cultuaram lindamente. 

A Deus Toda honra e gloria sempre.
Graça e Paz.
Jociana e Barbara

Projeto Missões Com Crianças - Agradecimento por doações à Campinas do Piauí.



De 03 a 09 de julho em Campinas do Piauí junto à Expedição Missionária Piauí.

Meu sincero agradecimento a todos que nos ajudaram com doações para o Ministério Infantil no sertão.

Agradeço imensamente a todos que doaram os 64 pares de chinelos infantis, as 50 sacolas da Expedição, as 108 Bíblias e Novos testamentos, as 15 Bíblias Infantis, as 281 revistas de histórias bíblicas para ler e colorir, os 11.000 folhetos para adultos e 1300 folhetos infantis, as 20 toalhas de rosto, as 400 pulseiras do Plano de Salvação, 23 harpas cristãs, 10 TNTs nas cores do Plano de Salvação, as mais de 500 bolas de ar nas cores do Plano da Salvação, material visual em E.V.A.,...





Sinceramente, sem palavras! Obrigado a quem doou financeiramente. O que conseguimos comprar também está na foto. As Bíblias Infantis subiram muito e tivemos que improvisar com Novos Testamentos e revistas infantis... Muito obrigado pela confiança.

Meu esposo Edson Andrade embarca amanhã para Salvador e peço a oração de todos para que Eliézer Castro e toda a equipe alcancem o objetivo de falar de Cristo em meio ao sertão brasileiro nestes dias de evangelismo!

Quem puder cooperar financeiramente com a Expedição para manutenção dos expedicionários nestes dias, entre no site oficial e faça sua oferta de amor!


Mais uma vez, muito obrigada!
Patricia Telles 
Blog Uma Visão Missionária (http://blogumavisaomissionaria.blogspot.com)
Projeto Missões Com Crianças

27 de junho de 2016

Projeto Missões Com Crianças - Preparação à Campinas do Piauí.



A Expedição Missionária Piauí está às portas. Graças a Deus e nosso Senhor Jesus Cristo estamos aqui pra agradecer mais uma vez a sua participação. Vários amigos contribuíram para podermos comprar as doações que Edson Andrade, membro do Instituto Missões Com Crianças levará para Campinas do Piauí.

Você foi parte fundamental para que esse milagre acontecesse. Há dois anos, nós contribuímos com a Expedição indo, doando Bíblias Infantis, Revistas de colorir, levando giz de cera e, claro, a Palavra de Deus de forma lúdica às crianças do sertão através da Tia Pastilha, missionária Patricia Telles e tantos outros expedicionários.




Já são mais de 400 Bíblias, 8.000 Folhetos, material para os trabalhos infantis: material escolar, brinquedos, literatura bíblica infantil, balas, doces e doações de calçados.

São mais de 30 povoados visitados desde janeiro de 2015; mais de 800 famílias visitadas em Bela Vista do Piauí, Conceição do Canindé e Paes Landim. Sabe o que é a alegria de visualizar mais de 200 pessoas fazendo a oração de confissão?
Seguimos a mais um desafio: Campinas do Piauí. Encerraremos nossos pedidos de doação dia 30 de junho. 

Querendo ofertar em espécie para comprarmos na Bahia e em Campinas, o material necessário para a EBF do Sertão, entre em contato conosco, pois as nossas malas já estão lotadas graças a vocês que acreditam em nosso trabalho evangelístico.

Agradecemos a você que tem acreditado e ouvido esse chamado e a você que ofertou, que nosso Senhor possa retribuir muito mais sobre você. Agradecemos em nome de Jesus Cristo.






De 03 a 09 de julho, Campinas do Piauí receberá a Expedição Missionária Piauí. Edson Telles representará o Projeto Missões com Crianças; e, Eliézer Castro é o organizador desta grande missão. Orem por eles e por todos os expedicionários de várias partes do país que estarão nesta grande missão.


23 de junho de 2016

Projeto Esperança Brasil-Angola 2016 - Informativo.


Projeto Esperança Brasil-Angola

Bom Dia! 
Aqui já estamos na luta, já chegamos a 4 meses em Angola vivendo na graça de Deus e desafiando os gigantes dessa nação. 

Consulte a Secretaria de Missões da sua Igreja veja se gostariam de particpar dessa MISSÃO. 

Agora é o tempo estamos contando com ofertas de irmãos, igreja e família. Ore e veja em Deus qual valor deve enviar para essa missão. Deus está contando conosco eu na frente da batalha e os irmãos segurando as cordas. 

Esse mês temos desafio de enviar medicamentos e os brinquedos das crianças que estão no Brasil em niteroi. 

Boa semana. Paz

Jociana Santos
Banco do Brasil
Ag 0072-8
C/C 39665-6


17 de junho de 2016

Palestina ou Israel – Qual o Nome da Terra Santa?



O texto não é nosso, mas é muito interessante e merece compartilhamento. Créditos ao final do artigo!

Durante os últimos séculos, o mundo, inclusive os cristãos, adotou um hábito ruim. Caímos na armadilha de uma antiga propaganda romana. Temos usado o nome “Palestina”, que foi colocado no país de Israel pelo imperador romano Adriano no ano de 135 d.c. Como essa denominação foi usada durante tanto tempo, esse nome se tornou de uso comum. Porém, ele é tão incorreto quanto seria chamarmos a Rússia de hoje de “União Soviética”, ou nos referirmos atualmente a Berlim como “Alemanha Oriental”.

O uso de “Palestina” na atual propaganda política

Está acontecendo agora uma guerra de propaganda política com o termo “Palestina”. Em um dado momento no passado, pode-se afirmar que “Palestina” era uma designação inócua da área do Oriente Médio que é geralmente entendida como a Terra Santa. Durante as últimas décadas, entretanto, o termo “Palestina” foi adotado pelos árabes que moram em Israel para designar a área a oeste do rio Jordão. O termo é usado especificamente para evitar o uso do nome Israel, e deve ser considerado um termo anti-Israel. Em todos os mapas publicados na Jordânia, no Egito, etc., a área a oeste do Rio Jordão é denominada Palestina, sem qualquer referência a Israel. A Palestina é o termo usado agora por aqueles que querem negar a legítima existência de Israel como uma nação genuína dentre a família das nações.

O termo agora adotado pela entidade política dentro de Israel que está gradativamente obtendo mais e mais porções de território através do “processo de paz” é Autoridade Palestina (AP). Embora tenha que tratar diariamente com os documentos oficiais israelenses, a AP odeia usar o termo Israel em qualquer uma de suas comunicações.

Portanto, “Palestina” deve agora ser considerado um termo de propaganda política com implicações maciçamente anti-Israel. A imprensa mundial usa o termo para questionar a legitimidade do Israel moderno. Os cristãos também têm usado o termo Palestina há séculos para se referirem à Terra Santa. Em tempos passados, isso poderia ser desculpado (embora biblicamente questionável) por causa de seu uso comum. Todavia, à luz da atual guerra de propaganda política contra Israel, os cristãos devem reavaliar o termo “Palestina” e considerar se é um termo bíblica, teológica ou profeticamente correto.
O uso bíblico de “Palestina”

O termo “Palestina”, da forma que foi aplicado à Terra de Israel, foi inventado pelo inveterado inimigo da Bíblia e do povo judeu, o imperador Adriano.

O termo Palestina é raramente usado no Antigo Testamento, e quando é usado, refere-se especificamente à área costeira a sudoeste de Israel ocupada pelos filisteus. É a tradução da palavra hebraica “Pilisheth”. O termo nunca é usado para se referir a toda a área de Israel. Antes que Israel se estabelecesse na terra, seria geralmente correto dizer que a área costeira a sudoeste era denominada Filístia (o Caminho dos Filisteus, ou Palestina), enquanto que as áreas centrais mais altas eram denominadas Canaã. Tanto os cananeus quanto os filisteus haviam desaparecido como povos distintos pela época do cativeiro de Judá em Babilônia (586 a.C.), e já não mais existem.

No Novo Testamento, o termo Palestina não é usado nenhuma vez. O termo Israel é essencialmente usado para se referir ao povo de Israel, em vez de se referir à Terra. Contudo, em pelo menos duas passagens, Israel é usado para se referir à Terra:

“...um anjo do Senhor apareceu em sonho a José, no Egito, e disse-lhe: Dispõe-te, toma o menino e sua mãe e vai para a terra de Israel; porque já morreram os que atentavam contra a vida do menino. Dispôs-se ele, tomou o menino e sua mãe e regressou para a terra de Israel” (Mt 2.20-21).

e

“Quando, porém, vos perseguirem numa cidade, fugi para outra; porque em verdade vos digo que não acabareis de percorrer as cidades de Israel, até que venha o Filho do Homem” (Mt 10.23).

A primeira passagem aconteceu quando José, Maria e Jesus retornaram do Egito para Israel; e a segunda refere-se à proclamação do Evangelho por toda a Terra de Israel. O anjo que falou a José, Mateus e Jesus usam o termo Israel com referência à Terra Santa, embora esse termo não fosse reconhecido pelas autoridades romanas naquela época.

Fica claro, então, que a Bíblia nunca usa o termo Palestina para se referir à Terra Santa como um todo, e que os mapas bíblicos que se referem à Palestina no Antigo e no Novo Testamento são, na melhor das hipóteses, imprecisos, e, na pior das hipóteses, são uma negação consciente do nome bíblico de Israel.

A história do termo “Palestina”

Onde se originou o termo “Palestina”? Como foi que o mundo e a Igreja adotaram o hábito de chamar a terra de Israel de “Palestina”? Um dos guias em nossas turnês a Israel é Zvi Rivai, um israelense cristão messiânico, que já fez consideráveis pesquisas sobre o assunto. Zvi nos informa que, antes do ano 135 d.C., os romanos usavam os termos Judéia e Galiléia para se referir à Terra de Israel. Quando Tito destruiu Jerusalém no ano 70 d.C., o governo romano cunhou uma moeda com a inscrição Iudea Capta, querendo dizer “a Judéia foi capturada”. O termo “Palestina” nunca foi usado nas designações romanas antigas.

Foi apenas quando os romanos aniquilaram a segunda revolta dos judeus contra Roma, liderada por Bar Kochba, em 135 d.C., que o imperador Adriano aplicou o termo “Palestina” à Terra de Israel. Adriano, como muitos ditadores de seu tempo, percebeu o poder da propaganda política dos termos e dos símbolos. Ele substituiu os santuários do Templo Judeu e do Sepulcro de Cristo em Jerusalém por templos a deidades pagãs. Ele mudou o nome de Jerusalém para Aelia Capitolina, e mudou o nome de Israel e da Judéia para Palestina. A escolha do termo Palestina por Adriano foi proposital, não acidental. Ele tomou o nome dos antigos inimigos de Israel, os filisteus, latinizou o termo para Palestina, e aplicou-o à Terra de Israel. Ele esperava apagar o nome de Israel de todas as memórias. Desse modo, o termo “Palestina”, da forma que foi aplicado à Terra de Israel, foi inventado pelo inveterado inimigo da Bíblia e do povo judeu, o imperador Adriano.

É interessante observar que os filisteus originais não eram, de forma nenhuma, do Oriente Médio. Eram povos europeus do Mar Adriático próximo à Grécia. Deve ter dado prazer a Adriano usar esse termo helenista para a terra dos judeus. De qualquer modo, o termo original “palestinos” não tem absolutamente nada a ver com os árabes.
A adoção do termo “Palestina” pelos cristãos

Um dos primeiros usos do termo “Palestina” é encontrado nos trabalhos de Eusébio, o historiador da Igreja, que vivia em Cesaréia. Ele escreveu em torno do ano 300 d.C., uma vez que a perseguição romana aos cristãos estava terminando e o imperador Constantino começava a aceitar o cristianismo como legal. Eusébio não aceitou a designação Aelia Capitolina que Adriano deu a Jerusalém, mas usou o termo “Palestina”. O próprio Eusébio considerava ser um dos bispos da Palestina. Assim, o nome anti-Israel e anticristão de “Palestina” foi assimilado ao vocabulário da Igreja à medida que o Império Bizantino ia sendo estabelecido.

Desde aquela época, a Igreja tem usado amplamente o termo “Palestina” na literatura e nos mapas para se referir à Terra de Israel. Não obstante, deve-se observar que as Cruzadas chamavam sua terra de Reino de Jerusalém. Entretanto, quando os britânicos receberam o mandato, depois da Primeira Guerra Mundial, eles chamavam os dois lados do rio Jordão de Palestina. Esse se tornou um termo geopolítico aceito por várias décadas, e aqueles que viviam naquela terra eram chamados de palestinos, sendo eles judeus, árabes ou europeus.

Nunca houve uma Palestina na época de Jesus. Esta é uma grave identificação incorreta. Seria algo como olhar um moderno mapa do estado do Texas com o título “O México no Século XX”.

Até mesmo cristãos evangélicos que crêem no futuro de Israel têm usado o termo “Palestina”. No final de muitas bíblias há mapas intitulados “A Palestina no Tempo de Jesus”. Nunca houve uma Palestina na época de Jesus. Esta é uma grave identificação incorreta. Seria algo como olhar um moderno mapa do estado do Texas com o título “O México no Século XX”.

Parece que os cristãos que crêem na Bíblia, seja consciente ou inadvertidamente, têm seguido o mundo, os pagãos e os que odeiam Israel ao chamarem Israel pelo nome anti-Israel de “Palestina”. Esse nome é encontrado em muitos mapas bíblicos, em comentários bíblicos e em livros-texto.
A designação adequada da terra

O uso do termo “Palestina” foi inadequado biblicamente e errado em toda a era da Igreja. Contudo, é mais do que apenas errado, é devastador quando, em nossos dias, o termo “Palestina” é a pedra de esquina da guerra da propaganda política contra Israel e contra o povo judeu. Será que queremos usar termos inventados por aqueles que odeiam a Cristo, a Bíblia e Israel? Será que queremos utilizar termos usados pelos inimigos de Israel que desejam realizar nada menos do que a destruição do povo judeu? Acho que não!

Os cristãos deveriam usar a terminologia da Bíblia sempre que possível. Por que não voltamos aos termos usados no Novo Testamento? Os escritores dos Evangelhos usaram o termo “Israel” para se referirem à Terra Santa. Por que deveríamos usar qualquer outro termo quando nos referimos à Terra Santa, especialmente agora que os judeus estão de volta a ela e se restabeleceram como a nação de Israel dentre a família das nações?

À medida que nos aproximamos da Segunda Vinda de Cristo, devemos entender que a fúria de Satanás contra a Igreja e contra Israel irá crescer exponencialmente. Satanás odeia o Evangelho do Messias crucificado e ressurreto, e odeia a realidade da restauração de Israel como nação que finalmente receberá Jesus como Messias em Seu retorno, e a nação que será o quartel-general terreno de Cristo. O único termo que devemos usar para a Terra Santa é Israel, ou suas subdivisões: Judéia, Samaria e Galiléia. Deveríamos empreender todos os esforços para remover o termo “Palestina” de nossos mapas bíblicos e de nossos livros-texto, e usar apenas termos bíblicos com referência à Terra Santa de Israel. 

(Thomas S. McCall, Th.D. - Pre-Trib Research Center) 
Publicado anteriormente na revista Notícias de Israel, março de 2011.

POSTADO POR ALESSANDRO MARTINS DE PAULA

Projeto Missões Com Crianças em Campinas do Piauí.


O Projeto Missões com Crianças segue para mais uma aventura de evangelização no Sertão do Piauí junto à Expedição Missionária Piauí. 

Desde fevereiro, nós arrecadamos mais de 150 Bíblias e revistas... Brinquedos e chinelos infantis... Na última semana de junho, nós compraremos o restante das doações que chegaram por forma financeira. Postaremos aqui no Blog antes que o expedicionário Edson Andrade leve para Salvador, onde irá encontrar-se com o restante dos expedicionários que seguirão de ônibus para o Estado do Piauí.

A liderança da EBF no sertão e das atividades de evangelização infantil estão sob nossa responsabilidade e, desta vez, com tema muito conhecido: "Pare, Pense e Siga a Jesus", utilizando recursos visuais que assemelhem-se com o transporte usado no sertão.

Vai ser lindo e pode ficar ainda melhor com sua doação. Se você tiver algo para ornamentação neste tema, entre em contato conosco com urgência. Nosso representante viaja dia 28 de junho. Ainda dá tempo de você fazer parte desta história.

Entre em contato conosco: 
institutomicri.contato@hotmail.com ou pahesa.andrade@gmail.com

Mais informações:

13ª Expedição será em Campinas do Piauí.


4.000 reais. 
Senhor precisamos de um milagre! 
13ª Expedição Missionária em Campinas do Piauí de 03 a 09 de Julho!



Seja nosso parceiro, envie uma oferta para:

Caixa
Ag. 0728
Op. 013
C/p. 111113-2

Bradesco
Ag. 5810
C/c 0580267-9

Em nome de Eliezer Ferreira Lima Neto
Coordenador da Expedição. 

15 de junho de 2016

Conheça "O Livro de Satã" e saiba refutar à luz da Bíblia.



Muitos vão se contorcer com esta postagem, mas é melhor conhecer o que ensinam por aí e saber refutar a luz da Palavra de Deus do que temer ações malignas que acontecem e, muitas vezes, fingimos não ver. Abaixo está uma matéria da Revista Mundo Estranho de forma resumida que fala sobre o Livro que leva muitos brasileiros e vários pessoa do mundo a praticar Satanismo...

Estive no Uruguai alguns anos atrás, o que mais vi foram pessoas que praticavam feitiçaria dentro de casa, que negavam a Jesus Cristo, porque seguiam a maçonaria ou o satanismo.

O mesmo vi no sertão do Piauí, pessoas idólatras, que mantinham feitiços em suas portas, que praticavam rituais à beira de rios e consideravam-se ateus. 

Quer viver missões? Conheça culturas e costumes. Conheça as demais religiões e seitas, ore e jejue... O resto, Deus fará!

Agora... Conheça e saiba refutar...

O Livro de Satã é um livro dividido em quatro partes, que defende que Satã é uma força da natureza e pode ser invocado com rituais mágicos. A primeira edição foi publicada em 1969, a obra foi reeditada 30 vezes e é a mais influente do chamado satanismo ateu. 

Para essa corrente de pensamento, o diabo não é como os cristãos o enxergam, ou seja, um ser maléfico em oposição a um Deus bondoso – pelo contrário, na Bíblia Satânica, Deus e Satã são muitas vezes citados como a mesma entidade. 


O autor é Anton LaVey (1930-1997), também fundador da Igreja de Satã. Há quem diga que ele escreveu a obra para aproveitar o sucesso do filme O Bebê de Rosemary, de 1968. O Satã de LaVey considera Jesus e suas leis de caridade uma grande farsa. Ele não pede adoração, mas que cada um viva de acordo com sua própria lei.

Escrituras diabólicas
Saiba o que diz cada uma das quatro partes da Bíblia de LaVey

Fora da lei
O Livro de Satã afirma que os Dez Mandamentos são uma mentira. Satã questiona, uma a uma, as leis que Javé teria passado a Moisés em tábuas. As mais refutadas são “Não cometerás adultério”, “Não matarás” e “Não dirás falso testemunho”. Mentiras são aceitas, principalmente em benefício próprio.

Nenhuma nudez será castigada
O sexo, o amor e o ódio são abordados no Livro de Lúcifer: orgias são liberadas e até estimuladas. O hedonismo é considerado uma virtude. São 12 capítulos, que detalham regras de comportamento e listam os quatro príncipes do inferno, Satã, Lúcifer, Belial e Leviatã.

- Outras 77 entidades infernais são citadas. Nenhuma delas tem barba e chifres.

Olho por olho
No Livro de Belial, são apresentados os rituais que invocam as forças satânicas. O leitor pode usá-los para gerar atração em outra pessoa ou até para conseguir a morte de um inimigo. O livro critica a lição de Jesus de dar a outra face quando agredido. “Odeie seus inimigos. Atinja-os”, diz ele.

Energia de matar
Dezenove palavras poderosas que podem ser invocadas nos rituais são listadas no Livro de Leviatã, que também explica suas origens. Para liberar energias muito poderosas, são admitidos sacrifícios humanos. Ensina-se a invocar Satã e a incitar o desejo sexual e a compaixão das pessoas.

FONTES:
The Satanic Bible, de Anton LaVey, e The Secret Life of a Satanist, de Blanche Barton






Quebra Gelos e sua importância nas pautas missionárias.


Durante um tempo, estivemos observando as novas técnicas de abordagens em alguns cursos de missões. Alguns Seminários, melhor dizer, muitos cursos e seminários adotam "quebra gelos" antes de seus palestrantes e professores iniciarem os tópicos a que foram propostos.

Veja o Exemplo do "Quebra Gelo: Dinâmica do copo com água"...


Material: Água, água sanitária e iodo (Vende nas drogarias).

Desenvolvimento: Mostre o copo com água (meio copo) e fale que ali somos nós quando Deus nos criou , livre do pecado , puros.. - Misture o iodo com a água e diga: - Ai um dia nos afastamos de Deus e ficamos cheios de pecado (a água ficará escura). -Pegue um pouco de água sanitária e derrame sobre o recipiente com iodo ( que estará escuro) e depois de derramar o liquido voltará a ficar transparente como água ! ( É MÁGICO) e diga que um dia a gente conhece alguém que nos leva para conhecer a Jesus e somos transformados e renovados por Deus e voltamos a ser como ele nos criou!

 Moral: Mostrar que Deus nos dá uma nova vida ( 2 Corintios 5:17 )

Pode parecer chato a princípio, até mesmo infantil ou fora da visão, mas o final é surpreendente. Todos os participantes do curso proposto acabam interagindo melhor, deixando suas reservas e bloqueios de lado... Aprofundam-se no tema e participam muito melhor compartilhando experiências...

Veja mais opções de dinâmicas assim no site:


Missão África - Missionários brasileiros na base missionária.



RELATÓRIO MISSIONÁRIO
Johannesburg - África do Sul, 30/04/2016

Paz do Senhor!
"E como pregarão, se não forem enviados?͟
(Rm. 10:15a).

Hoje estamos felizes neste lindo continente onde há muitas histórias de guerra, exploração e fome, mas também de missões, esperança e amor ao povo africano por causa do Evangelho. 

Nossa viagem foi muito cansativa porque no domingo fomos de ônibus do Rio à rodoviária de Guarulhos em direção ao Aeroporto Internacional de Guarulhos (Aeroporto de Cumbica), viajamos a noite inteira e passamos a manhã para poder viajar à tarde. 

Ao sair de São Paulo voltamos ao Rio, e tivemos que esperar nosso voo da British Airways com conexão em Londres, trocar de aeronave e ir para a África do Sul. Deus tem um propósito com cada coisa que acontece em nossas vidas, perdi meu celular ainda no Rio e uma irmã que mora e congrega em Portoferraio na Itália encontrou e nos devolveu, vimos que Deus permitiu isso apenas para conhecermos a Ellen e levarmos uma palavra para sua vida pessoal a qual estava precisando muito. 

Ao sair do Brasil tivemos dengue acompanhada de febre e dores no corpo a viagem inteira e o ar condicionado do avião estava muito forte deixando a jornada mais desconfortável. Enquanto esperávamos nosso voo em Londres houve um atentado terrorista no aeroporto de Bruxelas na Bélgica. Em fim, chegamos na quarta de manhã, muito cansados, fomos bem recebidos por nosso Pr. Roberto e no dia seguinte começamos os trabalhos. 

Estamos apoiando a Igreja Evangélica Missionaria e descobrimos vários povos que congregam conosco: brasileiros, moçambicanos, angolanos, congolenses e sul-africanos. Estamos felizes, pois nossos lideres são homens e mulheres de Deus e temos aprendido de acordo como está nas escrituras. 

Como alguns irmãos já sabem não fomos enviados pela nossa igreja, mas tivemos o apoio da liderança com o culto de despedida e fomos convidados pela missão a vir para a África sem remuneração financeira. Buscamos apoio de amigos, irmãos e igrejas para ajudarmos em oração pelo nosso ministério aqui para que possamos ajudar os trabalhos. 

Como eu trabalhava com administração de sites ofereço serviços gratuitos a igrejas para que as mesmas possam nos apoiar financeiramente, caso conheça igrejas que precisam deste serviço entre em contato conosco e agradecemos. Estamos trabalhando com dedicação na tradução de lições para a EBD, visita aos lares e cultos em inglês e português devido a quantidade de irmãos moçambicanos que congregam conosco. 

Tivemos batismo de 12 almas e Santa Ceia neste primeiro dia de maio. Abaixo passo o link da missão que apoiamos para que conheçam mais o trabalho da Missão Semear. Muito obrigado por ler nosso pequeno informativo. Em breve enviaremos mais notícias sobre o que Deus está realizando na áfrica. Ivan e Eliane.

http://www.basemissionaria.com 
http://ww.sowmission.org 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

RESPEITE OS CRÉDITOS!!!

Por favor, respeite os direitos autorais e a propriedade intelectual (Lei nº 9.610/1998). Você pode copiar os textos para publicação/reprodução e outros, mas sempre que o fizer, façam constar no final de sua publicação, a minha autoria ou das pessoas que posto aqui e que, muitas vezes, aqui escrevem. Afinal, algumas postagens do "Blog Uma Visão Missionária" trazem imagens de fontes externas como o Google Imagens e de outros blog´s.

Se alguma for de sua autoria e não foram dados os devidos créditos, perdoe-me e me avise (pahesa.andrade@gmail.com) para que possa fazê-lo. E não se esqueça de, também, creditar ao meu blog as imagens que forem de minha autoria.

Projeto MICRI e a Expedição Missionária Piauí

Chamado Missionário?

Aniversário do Blog!